Educação em pauta

Imagem: A espiritualidade inspira formas mais humanas de pensar e agir.

por César Carneiro

Professor do Colégio Santo Agostinho

13/07/2018

Compartilhar

A espiritualidade inspira formas mais humanas de pensar e agir.

A educação é, sem dúvida, o maior desafio que o Brasil enfrenta para se transformar, de fato, em um país justo, desenvolvido e atento à imensa diversidade de nossa cultura e pessoas. Muito se afirma sobre os motivos que impedem a construção de um sistema educacional que possibilite a inserção social e cultural e o reconhecimento das alteridades das futuras gerações. Uma dessas respostas aponta para um caminho de reconhecer a educação para além de seus componentes curriculares, como o lugar de construção do sujeito nas suas múltiplas dimensões e representações.

A educação dos colégios agostinianos, alicerçada na mística experiência de Santo Agostinho, organiza e articula seu discurso / processo educativo em diálogo com o instrumental das ciências, em uma interação estreita e profunda com a dimensão da espiritualidade.

Entendemos a espiritualidade como o locus da consciência do sujeito, que se sente inserido num todo maior e que capta o elo secreto que tudo liga e religa. O lugar das experiências que marcam e configuram a pessoa em sua totalidade e radicalidade, clareando a teia de significados com as quais o ser humano se relaciona com os outros sujeitos, com o mundo e com o transcendente.

Ao destacarmos o papel da espiritualidade na educação, colocamos em nosso horizonte a possibilidade dessa relação ser entendida como um processo de formação humana que não se preocupa apenas com o desenvolvimento cognitivo do individuo, mas utiliza esse desenvolvimento para expressar a si mesmo como pessoa e também como construtor da realidade e do mundo que o cerca. A espiritualidade, aqui, é a aragem que sustenta os valores de solidariedade, justiça, compaixão, cuidado e amor, fundamentais para uma sociabilidade verdadeiramente humana.

Assim, a espiritualidade inspira e projeta o conjunto de princípios e práticas que caracterizam o modo segundo o qual a educação agostiniana é concebida e vivida. Esses princípios, por sua vez, pautam-se na comunicação dialógica e no compromisso ético com a realidade do mundo e das pessoas.

A espiritualidade inspira formas mais humanas de pensar e agir
A espiritualidade sustenta os valores de solidariedade, justiça, compaixão, cuidado e amor.


Como comunicação dialógica, a comunidade educativa agostiniana vive um êxodo permanente em direção às alteridades das pessoas e do mundo, com um espírito desarmado e aberto ao encontro com os diferentes. A escuta e o encontro com o outro, nas múltiplas situações e papéis, tornou-se um imperativo inarredável para se poder viver a nossa própria identidade agostiniana.

O momento atual redescobre o direito de cidadania da espiritualidade agostiniana. O componente ético traduz-se em força civilizatória de nossa prática educativa, um transbordar de nossa consciência na relação com as pessoas e com a mundo que nos cerca. Educar para a eticidade é, sobretudo, a absoluta clareza de sermos responsáveis pelas consequências das nossas ações e atitudes. Pois delas dependem a convivência humana e a realização do “ser humano de cada um”.

Enfim, o dialogar da espiritualidade com a educação torna-se, hoje, um chamado à fazer visível, no difuso mundo pós-moderno, aquilo que é o centro de nossa identidade: promover a vida por meio da fraternidade, da educação e da justiça social, sendo referência de uma educação humana e transformadora.